sábado, dezembro 24, 2011

EM ALGUM LUGAR...

Em algum lugar
existe

Um vazio
belo e simples

Onde possa caber
passarinhos...

Leves livros, borboletas,
Azul céu, Verde pinho...

Que conste de cores
a vida,

Que conste de luz
o caminho.

Belle Neves

quarta-feira, novembro 23, 2011

CAMINHOS...

Encontravam-se sóis
porém soturnos

Sob um véu de sombras
informe, desmedido

Vaga mente absolvida(os)
Apenados

Caminhavam infaustos,
bem trajados...

Belle Neves

domingo, novembro 20, 2011

ALGO...

Algo traduz-se
Algo apela-se

Neste vão,

em desalinho
Sóis  escondem-se

Caricaturas banais
desprendem lamentos

Entre luas e ventos
O ignoto revela-se.

Belle Neves

terça-feira, outubro 18, 2011

Vida...


Em céu aberto, a embalar manhãs
Ela sorri, vestida de vento...
Tem o coração cor de rosa,
Tem cheiro de rosa flor...
E uma doce ternura que a vida esteia.

Vestida de vento, ela sorri...
Ilumina o céu de todas as manhãs,
Irradia felicidade em seus passos
E a cada passo do vento
Ela sorri...
e chama a vida pra brincar na areia.



sábado, outubro 08, 2011

RETICÊNCIAS...

Soprar no ar as sementes
Soltar os rastros ao vento
E nessa viagem fremente
Voar também pensamento.

 
Inocentar a esperança,
Pulsar estradas, caminhos
Ser manhãs, ser criança
Reinventar passarinhos.

Arrebatar estações
Desprender-se , defrontar
Ir além das ilusões...

Em constância concebida
Dispersar-se pelo ar
Como reticências de vida...


Belle Neves

sexta-feira, abril 01, 2011

Espera...

Se ao teu desalento, me despertas
Como nuvens brancas que desprendem-se do céu
Esquece as horas frias, encobertas
As horas incontáveis num papel

Não me fales do teu passado triste
Não me fales dos sonhos esvaídos
Existe vida neste coração, existe!
E um mundo inteiro a ser sobrevivido.

Anda! O tempo que pensavas findo
Recomeça. Permita-se vivê-lo!
Impeça a razão de não fazê-lo.

Ainda que suponhas estar partindo,
A cor do céu parece distorcida
E nela vê-se a tua sombra refletida.

Belle Neves

sexta-feira, março 25, 2011

Vê...!

Vê...!
Os olhos sentem!
Irradiam os anseios do que há por vir...
Pressentem o apuro...
de não querer sentir.

Vê...!
Os olhos mentem!
Silenciam as retinas diluídas...
Dissimulam, docemente,
a dor que sentem.

Belle Neves

Momento...


É um querer, maior do que vontade
É fome de apertar, mais que desejo
Querer de amor, sufoco de saudade
Prender a tua boca no meu beijo.

A noite lentamente a lua beija
Abraça-a com sua longa veste escura
Estrelas de enfeitar, o céu alveja
Compartilhando da doce ternura

Momento sem prevista duração
Nós dois, em plena chuva, anoitecemos
 Segredos que comandam o coração
Na escuridão nós nos reconhecemos.

Belle Neves

quinta-feira, fevereiro 10, 2011

Às margens do céu...

E tu me acolheste com tua boca doce
com teu canto livre
com esse teu cheiro...

Deixaste-me banhar por entre os teus cabelos,
Ouvir a canção que vem do paraíso...
E em tuas margens, percorrer caminhos
Terno dia branco, luz do meu sorriso.

Quero em tuas nuvens fazer-me teu ninho
E voar na sombra de um passarinho.

Belle Neves

segunda-feira, janeiro 31, 2011

Desencanto 2...

O caminho sempre esteve ali...

As flores já haviam murchado,
As horas...tão inconstantes.
A rua ardia em luzes,
Um livro derrubado da estante...
Não aprendeu a voar...
Não sabe o que é cair...

Só fingia que dormia,
Por não querer existir.

 

Belle Neves

sábado, janeiro 29, 2011

Desencanto...

Quando voltares e me veres em pranto
Com os olhos doídos de tanto te esperar
Embriagada em rever-te, encanto
Apelo a meu recanto pra não mais chorar

Canto o refrão que eu compus nos dias
Banhados de sol, de vento e maresia
Pleno de amor... e por amar-te tanto
Eis meu acalanto, eis minha agonia

E quando eu me der conta da tua partida:
Teclas arrastadas, notas esquecidas...
Recolho os dedos mudos, a alma naufragada
A impressão de que o amor em mim não vale nada.

Belle Neves

sexta-feira, janeiro 21, 2011

domingo, janeiro 09, 2011

Sem palavras...

A dança do amor
não se registra em palavras
Resplandece
no encontro de almas
no bailar de corpos
No caminhar de pernas
envolvidas no êxtase
de um estar dentro do outro.

Belle Neves

sábado, janeiro 08, 2011

Vento

Vento que vem de mansinho
invade minh’alma... carinho
passeia, envolve, me abraça
Descobre minhas vestes, faz graça

Vento que os poros arrepia
me embala, me canta poesia
encanta, assobia, verseja...
Ah vento que tanto peleja

Decerto não sei de onde vens
mas sinto a força que tens
Ah vento sereno, amigo...
me leva que eu vou contigo!
Belle Neves

segunda-feira, janeiro 03, 2011

Leva...

Leva contigo
onde fores,
Além de nuvens
Orvalho que amanhece

Leva contigo
Um céu
Um sonho
Uma prece.

Belle Neves